Acesso Rápido
ir direto para o conteúdo | ir direto para editorias | ver sitemap

Área do usuário

Conteúdo

//Colaborativo

01 de Agosto de 2014 | 20:40

A Arte Urbana ganha espaço em galerias e debates

A Arte Urbana ganha espaço em galerias e debates

Juliana Guimarães

Extasiada! Foi assim que saí do Seminário Arte Urbana e a (Re) Construção do Imaginário da Cidade, realizado pelo Festival Sesc de Inverno na última quarta-feira(30). A mesa “Compartilhamento da Cidade”, formada por Mauro Lopes Rego, Sergio Magalhães e Jailson de Souza e Silva e mediada por Bianca Ramoneda, apresentou várias visões e aspectos da cidade e a vida urbana, desde sua arquitetura, passando pelas práticas comportamentais e seguindo por tantos outros pontos que não se esgotariam em um simples textos como este, mas que pretendo esmiuçar futuramente.

Maravilhoso ver a diversidade do público presente. O tema atraiu admiradores – nos quais me incluo – mas também representantes de outras linhas e vertentes, que tiveram o interesse aguçado pelo fascinante mundo da Arte Urbana. Algo que, como toda arte, nasce do interior de cada artista, mas que, diferente de outras artes, não foi feita para permanecer imóvel ou intacta, ao alcance de poucos em uma galeria. Embora muitos desses espaços estejam, cada vez mais, abrindo suas portas, mais do que para mostrar, para conhecer esse novo (novo?) conceito de arte.

Parece que aquilo que sempre esteve ali, presente nas ruas, aos olhos de todos, precisou chegar às instituições para alcançar o público. Que se quebrem os preconceitos! A possibilidade de encontrar o inesperado, o diferente, no vai e vem do dia a dia...

Entre tantas reflexões despertadas nesse evento, que mais uma vez digo não citá-las aqui devido a extensão e complexidade, acredito que o mais importante seja a quebra de paradigmas, de rótulos, do isolamento e dos estereótipos. A arte é expressão. É a externação de sentimentos, vivências e conceitos. Você pode se identificar com obras de Dalí, Picasso, Van Gogh ou Tarsila do Amaral. Evidentemente, você pode não querer sua parede da sala grafitada, mas, por favor, não me diga que Arte de Rua não é arte. Talvez esta seja a mais autêntica delas.


Comente!

Captcha