Acesso Rápido
ir direto para o conteúdo | ir direto para editorias | ver sitemap

Área do usuário

Conteúdo

//Colaborativo

19 de Setembro de 2014 | 22:25

Cada um fazendo sua parte

Cada um fazendo sua parte

Juliana Guimarães

A Aula Pública, organizada pelo Ocupa Coreto, na última quarta-feira, (17), foi sobre o tema “Permacultura”. O termo não é amplamente conhecido, mas, pelo que eu entendi, (espero que eu não fale besteira agora), basicamente, trata-se completar ciclos, dar o máxima de utilidade ao máximo de coisas pelo máximo de tempo possível. Ou algo assim.

No fundo, é uma forma de tentar consertar a besteira que nós, (humanidade), viemos fazendo ao longo de séculos. Um consumo desenfreado de recursos que estão ficando escassos e que daqui pra frente, a tendência é só piorar.

Pois bem. Agora você deve estar pensando em reciclagem, “ações sustentáveis” – que tá na moda, né?. É...tem disso também. Mas o que eu achei mais bacana foram os princípios éticos da Permacultura: cuidar da terra, cuidar das pessoas e partilha justa.

No geral, muitas das aplicações apresentadas me pareceram meio fora da nossa realidade. E não que a proposta não seja essa. A idéia é justamente mudar. Mas, sei lá... Um dos exemplos da aula foram “banheiros sem água”. Há todo um processo pra que os dejetos não sejam despejados no esgoto e nem prejudiquem a natureza. Legal! O único problema é que dá trabalho. E aí você vai dizer: “Se fosse fácil todo mundo já faria” ou “Você só quer molezinha!”. Mas não é isso. Eu moro em casa, sem quintal, de aluguel, como muitas pessoas. É inviável montar e armazenar os aparatos para a construção desses “banheiros sem água”.

A intenção aqui passa longe de querer desestimular. Acredito que essas mudanças sejam super válidas e que quem tem espaço para fazê-las tem todo o meu apoio para tal. No entanto, acho que por enquanto vou ficar com coisas mais simples, que nem são tão simples assim, mas que estão ao meu alcance. Você também pode! Que tal começarmos pelo nosso caráter, pelo jeito que tratamos o próximo, pela contribuição que damos – de forma gratuita, não estou falando de emprego, para a sociedade? E se controlarmos um pouco nosso consumismo? Será que precisamos comprar tudo que compramos mesmo? Produzir todo o lixo que produzimos, gastar toda a água que gastamos? Acho que não, né? Então... bora tentar?!

 

Comente!

Captcha