Acesso Rápido
ir direto para o conteúdo | ir direto para editorias | ver sitemap

Área do usuário

Conteúdo

//Cultura

05 de Abril de 2017 | 15:57

Tribo Indígena visita escola em Petrópolis

TAG 
Os Fulni-ô compartilharam suas experiências com as crianças

Redação

De acordo com dados da Funai, os índios correspondem a 0,25% de toda a população brasileira. Atualmente, são mais de 225 etnias ou sociedades indígenas no Brasil, com 180 línguas e dialetos distintos. Nessa terça-feira (04), a tribo Fulni-ô compartilhou suas experiências com os alunos da Escola Area Bambini.

Segundo a coordenadora pedagógica da escola, Ana Paula Perdomo Molter, é muito importante para a história dos índios essa troca de experiências com as crianças. “Essa visita nos ajuda a não deixar a cultura indígena, que é tão rica, ser apagada. Queremos mostrar para as crianças a história do nosso país a fundo e mostrar que os índios estiveram presentes desde o começo".

A visita da tribo complementa o projeto da turma do quinto ano da educação  infantil, que se chama “Índio: Uma história que não se esquece”. Os índios apresentaram alguns de seus rituais e danças para as crianças e conversaram sobre como é viver em uma tribo e ser índio no Brasil, e compartilhando um pouco de sua sabedoria e experiências. 

“As crianças ficaram contando os dias e estavam muito animadas com a visita dos índios. Por não conhecerem e nunca terem visto um índio de perto, ficaram empolgadas e ansiosas para passar esse tempo conhecendo o que é diferente para elas”, comentou a professora, Luana Rabello.

A tribo Fulni-ô habita o município de Águas Belas em Pernambuco. Dois grandes nomes do esporte no Brasil descendem de sua etnia, são eles: Mané Garrincha e a tenista Teliana Pereira. Hoje, a aldeia abriga mais de 6.000 índios e são o único grupo do nordeste que conseguiu manter viva e ativa sua própria língua Iatê e o seu ritual chamado de Ouricuri, uma região que integra as terras fulni-ô em Águas Belas, e onde os índios fulniôs praticam reclusão coletiva durante três meses realizando um de seus rituais de maior sigilo.

Comente!

Captcha